Para tanto, uma multa foi aplicada de R$ 200 mil: R$ 100 mil ao SPUrbanuss (sindicato das empresas de ônibus) e R$ 100 mil ao Sindimotoristas (sindicato dos rodoviários). As multas serão referentes aos dias 20 e 21 de maio.
A paralisação que ocorreu nestes dias foi feita por uma ala dissidente do Sindimotoristas, no entanto a justiça trabalhista não levou muito isso em conta. A decisão foi dois cinco votos a dois.
A desembargadora e relatora do caso Ivani Contini Bramante afirmou que por ser difícil determinar quem participou ou não da paralisação, não serão aplicados descontos nos salários, mas os motoristas devem repor os dias não trabalhados.
Cabe recurso tanto do Sindimotoristas como do SPUrbanuss que não aceitaram a decisão.