sexta-feira, 27 de março de 2015

Paulistano quer mais prioridade ao transporte coletivo, aponta pesquisa da Rede Nossa São Paulo

Paulistano quer mais prioridade ao transporte coletivo, aponta pesquisa da
 Rede Nossa São Paulo.
Avaliação sobre ônibus teve pequena melhora. Mais ciclovias na cidade
elevaram a nota sobre a necessidade de se investir em transporte não motorizado.

ônibus
A pesquisa anual Indicadores de Referência de Bem-Estar no Município (IRBEM), edição 2014, divulgada nesta quinta-feira, mostra que a mobilidade urbana ainda está entre os aspectos que mais geram insatisfação do paulistano. De 25 segmentos analisados pelos entrevistados, transporte/trânsito ocupa a 21ª posição, ficando atrás apenas dos indicadores de transparência e participação política, segurança, desigualdade social e acessibilidade para pessoas com deficiência.
Apesar de a insatisfação ser grande, houve uma melhoria em relação a 2013. Na edição de 2014, a nota para a mobilidade urbana foi de 4,1. Na pesquisa anterior, o indicador recebeu nota de 3,9.
A pesquisa foi realizada entre os dias 24 de novembro e 8 de dezembro de 2014. Foram ouvidos 1.512 moradores da cidade de São Paulo com 16 anos ou mais.
O levantamento é realizado anualmente pelo IBOPE Inteligência a pedido da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP) em parceria com a Rede Nossa São Paulo.
De acordo com nota à imprensa da Fecomércio, o aumento no número de ciclovias na cidade melhorou a percepção dos paulistanos. A maioria, 68%, se descola de ônibus diariamente. A avaliação sobre os serviços de ônibus também registrou pequena melhora. A população está mais consciente da importância do transporte público receber prioridade no espalho urbano com equipamentos como corredores de ônibus. Confira parte da nota da Fecomércio:
“De acordo com a pesquisa, 68% dos entrevistados utilizam o ônibus como meio de transporte diário. Entre os usuários paulistanos, o tempo médio de espera nos pontos cai de 25 minutos em 2013 para 20 minutos em 2014 e a nota atribuída a esse item (tempo de espera nos pontos) sobe de 3,9 na pesquisa anterior para 4,4 no levantamento atual. Outros dois aspectos também apresentam avanços na nota dada pela população: tempo de deslocamento na cidade (de 3,7 para 4,1) e a quantidade de ciclovias na cidade (de 4,2 para 4,6). Além desses três quesitos, outros nove foram avaliados: tamanho da rede do Metrô, prioridade ao transporte coletivo no sistema viário, restrição aos fretados, pontualidade dos ônibus, tarifas do transporte público, soluções para diminuir o trânsito, respeito ao pedestre, qualidade das calçadas e segurança no trânsito. Embora todas as notas estejam abaixo da média, dez dos 12 itens apresentam percepção mais positiva quando comparada ao levantamento anterior. Apenas a prioridade ao transporte coletivo no sistema viário obtém nota inferior a 2013, enquanto a avaliação do tamanho da rede do Metrô não apresenta mudança. O segmento de transporte/trânsito obtém 44% de notas entre nove e 10 em relação à importância do fator para a qualidade de vida na cidade, tendo a terceira maior média.”

Fonte: ,por: Adamo Bazani, jornalista da Rádio CBN, especializado em transportes

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Sugestão, Reclamações, Elogios, Comentários e Perguntas