terça-feira, 12 de abril de 2016

EMTU fala novamente em extinguir Área 5 de ônibus do ABC Paulista

Intenção da gerenciadora de Transportes está em ata do Diário Oficial, publicado nesta terça-feira

onibus ABC
Além de antigos e mal conservados, vários ônibus no ABC são de porte inapropriado para as linhas.
Os ônibus intermunicipais do ABC Paulista são os únicos em todas as regiões metropolitanas no Estado de São Paulo que funcionam sem contratos de concessão, apenas sob autorização e permissão em regime precário. O resultado disso o passageiro sente na pele, com ônibus velhos, linhas desatualizadas e veículos sem acessibilidade.
Desde 2006, quando foram licitadas outras áreas de operações da região metropolitana de São Paulo, a EMTU tentou licitar também as linhas de ônibus correspondentes ao ABC Paulista, mas sem sucesso. Foram cinco tentativas das quais quatro esvaziadas pelos empresários da região e uma barrada também pelos empresários na Justiça.
A EMTU tentou apresentou como uma das possibilidades a extinção da área 5, com a redistribuição dos serviços entre as outras quatro áreas para resolver o impasse, na licitação de todo o sistema metropolitano que ocorre neste ano.
Esta intenção agora ganhou força. Na ata da 217ª Reunião Ordinária do Conselho Diretor do Programa Estadual de Desestatização, ocorrida no Palácio dos Bandeirantes, no dia 26 de fevereiro, o presidente do conselho e secretário de transportes e logística de Alckmin, Saulo de Castro Abreu Filho, disse que a EMTU tem com objetivo redistribuir as linhas da Área 5 para outras áreas. Tudo foi registrado e publicado no Diário Oficial do Estado hoje:
“A solução proposta pela EMTU envolve uma redistribuição da Área 5 nas demais 4 Áreas para a realização de nova concessão. Com isso, busca-se o equacionamento do transporte intermunicipal de passageiros à realidade, para ao melhor atendimento ao usuário, ampliando a satisfação quanto aos aspectos de conforto, acessibilidade e regularidade, e ainda, estabelecendo diretrizes visando ao incremento da atratividade e competitividade na(s) licitação(ões) que se pretende realizar.”
Os empresários alegam que esvaziaram as tentativas de licitação porque a região do ABC Paulista tem características próprias que não são condizentes com as outras quatro áreas, como salários maiores dos motoristas e cobradores, e projetos como o monotrilho da linha 18, que na prática só vai atender parte da região e não tem data para ser concluído, e o Expresso ABC, que vai seguir paralelo à linha 10-Turquesa da CPTM, como menos paradas, mas que também não tem data para ser concluído.
No ABC, operam 19 empresas de ônibus em 112 linhas que transportam diariamente 300 mil pessoas nos 829 ônibus intermunicipais.
A frota no ABC Paulista é uma das mais velhas de todo o estado, com média de 9,5 anos e veículos que ultrapassam 20 anos de uso. Empresas como EAOSA – Empresa Auto Ônibus Santo André, Viação Ribeirão Pires e Viação São Camilo estão entre as piores no IQT – Índice de Qualidade do Transporte, da EMTU.
Na ata, ainda consta que a licitação pode aprimorar os serviços.
Em seguida, o Presidente deste Colegiado referiu-se à proposta Concessão RMSP Ônibus Metropolitano, submetida pela Empresa Metropolitana de Transportes Urbanos de São Paulo/EMTU, cujo escopo foi apresentado pelo Secretário dos Transportes Metropolitanos, Clodoaldo Pelissioni. O referido projeto de concessão engloba os serviços de operação atuais e os que vierem a ser criados, de todo o sistema regular (comum, seletivo e especial), por ônibus e demais veículos de baixa e média capacidade, e as funções de conservação, manutenção e operação da infraestrutura atual e da que vier a ser implantada, bem como o aprimoramento e a gestão do sistema de bilhetagem eletrônica na Região Metropolitana de São Paulo – RMSP. Objetiva-se a renovação das concessões das Áreas 1, 2, 3 e 4 e a regularização institucional da Área 5, que permanece sob regime de permissão/autorização precário sem contrato administrativo, por meio de certames licitatórios, aprimorados pela vivência da gestão de contratos dos últimos 10 anos. A solução proposta pela EMTU envolve uma redistribuição da Área 5 nas demais 4 Áreas para a realização de nova concessão. Com isso, busca-se o equacionamento do transporte intermunicipal de passageiros à realidade, para ao melhor atendimento ao usuário, ampliando a satisfação quanto aos aspectos de conforto, acessibilidade e regularidade, e ainda, estabelecendo diretrizes visando ao incremento da atratividade e competitividade na(s) licitação(ões) que se pretende realizar. Expostos os motivos e dirimidas as dúvidas, o Presidente do CDPED colocou a matéria em votação, aprovada por unanimidade pelos Conselheiros, que autorizaram a forma-ção do CAP para aprimoramento dos estudos.

Fonte: por: Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Sugestão, Reclamações, Elogios, Comentários e Perguntas